Arquivo do mês: março 2009

sobre imensidão e terremotos (IV)

algo em mimagonizatal qualasqueroso ratono canteiro ele não sabe leravisos de perigoe guincha veneno deve deixargosto amargo na bocaassim como ausências elas escapamde lábiose despertamdesejo lábiosque nuncaencostaramnos meuse desejobeijar [é amargo este gosto] um fim de filmesem final gosto ruimde … Continuar lendo

Publicado em SÉRIE | Deixe um comentário

sobre imensidão e terremotos (III)

veleiros no mar do posto 9 onde foram parar as gaivotas e todas as suas virtudes? a areia não pode grudar na minha pele o grito virá de longe [do voo das minhas asas] como um pedido de socorro o … Continuar lendo

Publicado em SÉRIE | Deixe um comentário

Sobre paisagem e movimento (VII)

a rainha dança no tabuleiro nunca aprendi a jogar xadrez não sei qual o correto a fazer movimentar o cavalo ou a torre? rei, bispos, peões? – para qual direção seguir? jogos de tabuleiro não são meu forte acho difícil … Continuar lendo

Publicado em SÉRIE | Deixe um comentário

sobre janelas e portas abertas (II)

você deita na grama e é tão europeu – você e sua pele perfeita. você e seu amor pelo sol. sua ingenuidade durante o verão, suas nuances intensas. a sujeira embaixo das suas unhas. você tem o cabelo tão fino … Continuar lendo

Publicado em SÉRIE | Deixe um comentário

Sobre agulhas e tempo (VII)

um nome gritado repetidamente, acorda ansiedades antigas. você pensou que estava escondido no jeito mais doce – de forma que – seus medos pudessem correr para longe de sua espinha. você rodopiava, rodava, girava uma roda de sonhos diários. o … Continuar lendo

Publicado em SÉRIE | Deixe um comentário

sobre lembranaças e fotografias (I)

hoje vovó faria 99quase 100de qualquer coisa[de idade, não seria] de bagagem, vivência, lágrimas e sorrisos;talvez 99 de “efortil”de pressão baixade pão francês sem miolocom margarina [bochechas rosadas] mãos finasque retiravam do fornosem pano nem luvatravessas quentes de inoxrecheadas com … Continuar lendo

Publicado em SÉRIE | Deixe um comentário

sobre margaridas e canções de amor (III)

olhos negrosjuntos de espantofulminam meu olharcastanho de saudade vontade nada impossívelde te verguardada na retina um sorriso aladoteutão característicoque nem sei… primeira impressãopermanececomo lembranaçano peitoguardada coração que pulsaaplauderevive um diauma noitefeliz penso nos teus olhosjuntosnegros de espanto meus olhos castanhossaudososmeu … Continuar lendo

Publicado em SÉRIE | Deixe um comentário