Sobre demolições e água na boca (I)


desejos mergulhados numa fonte submersa
cachoeira que molha a nuca
e seca o suor dos pensamentos

travesseiros de água
em travessuras de língua macia
mãos e carícias que revelam
o que pode estar oculto
há tempos demais

diversão instantânea
num cruzar de olhares
num fechar de olhos
num encostar de bocas
e narizes

emoções absorvidas
num grito alto

fonte que jorra sentires
em via de mão dupla.

encontro de singularidades
pandeiro, tambor e tamborim
ritmo agitado
de uma música que se canta
com formigueiro nos pés
e dedos apontados para o alto.

[purpurina e piração]

liberdade revelada
numa tarde de carnaval.

o amor pode nascer assim
numa fonte submersa,
na cachoeira
ou no canto de um beija-flor.

Anúncios
Esse post foi publicado em SÉRIE. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s