Arquivo do mês: janeiro 2008

em pele ou lona – (por Ledusha)

Há horas definitivas em que o amor te põe nocauteNão existe pele ou lona alguma que suavize o seu impactoO amor te expõe a tudo de novo, de velho, de insano, de lindo, de fácil impossívelDepois de espumar como um … Continuar lendo

Publicado em Convidados (as) | Deixe um comentário

Your love

is better than ice cream.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Hoje de manhã…

ele me chamou de Cinderella ao acordar. Disse que eu acordo linda e me perguntou o que eu ví nele, um homem tão insensível… eu não respondi nada, mas agora penso que “ocultar a sensibilidade” para ele deve ser a … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Pranto para Comover Jonathan -Adélia Prado

Os diamantes são indestrutíveis?Mais é meu amor.O mar é imenso?Meu amor é maior,mais belo sem ornamentosdo que um campo de flores.Mais triste do que a morte,mais desesperançadodo que a onda batendo no rochedo,mais tenaz que o rochedo.Ama e nem sabe … Continuar lendo

Publicado em Convidados (as) | Deixe um comentário

Dia 30 de Janeiro, Quarta-feira – VERSOS DA MEIA NOITE

VERSOS DA MEIA-NOITE FOLIA POÉTICAPERFORMANCES / PROJEÇÕES / DJS / SHOWS / E MUITA POESIA“PURPURINA É UM ÁCIDO QUE DURA VÁRIOS DIAS” (CHACAL) SOLTANDO A FANTASIA E VESTINDO A POESIA: SABASAUERS (MOVIMENTO INVERSO)ADRIANA MONTEIRO DE BARROS (PIANOS INVISÍVEIS)RATOS DI VERSOSPALAVRA … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

O triste -Alexandre França

estou triste por vocêestar triste.eu fico triste quandovocê fica triste.eu fico triste quando nósficamos tristes enão falamos no assunto.e mais aindaquando não sei comoencontrar o seu tristeno escuro do meu mundo.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

tarde nublada sol aparece às vezes e reflete no asfalto palavras tristes aquecem o asfalto tábua corrida de cores aquareladas pintadas à dedo faltam línguas de saliva e sombras na paisagem falta aquilo que pode ser você na paisagem falta … Continuar lendo

Publicado em poesia | Deixe um comentário